Pesca Feliz

Siga nossas redes

Finanças

Ibovespa tem pior janeiro desde 2016, mas efeito sobre fevereiro é fraco

‘Barômetro de Janeiro’ no mercado de ações sugere que desempenho no primeiro mês de cada ano é indicador confiável quando positivo.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 4 minutos

  • Telegram
  • Flipboard
  • Google News

Oefeito janeiro é uma das místicas do mercado financeiro, tal qual o rali de Natal e o “sell in May and go away”. Apesar de serem mais populares em Wall Street do que no Ibovespa, essas crenças podem lançar luz sobre o desempenho das ações em períodos específicos do ano. A ver, então, o que diz a bola de cristal para o mês de fevereiro

O problema é que a bolsa brasileira colocou em xeque o famoso mito em Nova York de que os índices acionários se valorizam no primeiro mês de cada ano devido aos ajustes de posições dos investidores. Conforme levantamento da Elos Ayta Consultoria, o Ibovespa amargou o pior janeiro desde 2016, acumulando queda de 4,8%.

Agora são 15 vezes, desde o início dos anos 2000, que o principal índice de ações no Brasil ficou no vermelho no primeiro mês de cada ano. Ou seja, apenas em nove ocasiões houve alta expressiva do Ibovespa em janeiro, quando se considera a variação percentual em termos nominais e em moeda local.

A boa notícia é que, no caso do Ibovespa, o “efeito janeiro” é mais forte quando o desempenho no mês é positivo. É o que destaca levantamento feito pela L4 Capital, com base em um estudo dos especialistas Lawrence Brown e Liyu Luo. Já quando janeiro é negativo, como visto em 2024, o efeito parece não ser tão forte para o restante do ano.

Barômetro de Janeiro

De modo geral, o chamado “Barômetro de Janeiro” no mercado de ações sugere que o desempenho das bolsas no primeiro mês de cada ano é um indicador confiável para a performance anual do que quando se considera outros meses. Ou seja, trata-se de uma tese de investimentos que sugere uma correlação.

“Este conceito reforça a importância de observar a tendência em meses de janeiro para definir estratégias de investimento”

Felipe Pontes, cofundador da L4 Capital

De forma resumida, Pontes explica que a ideia central é que um janeiro positivo pode ser um prenúncio de um ano lucrativo para as ações, enquanto um janeiro em queda pode sinalizar um ano difícil pela frente. “No entanto, é crucial entender que essa correlação não implica causalidade”, pondera o especialista. 

Ainda mais quando se trata de mercados emergentes. Segundo o cofundador da L4 Capital, a regra do “Barômetro de Janeiro” não é tão infalível quando aplicada em ativos mais arriscados, como os do Brasil, onde outros fatores econômicos e políticos acabam tendo um impacto mais significativo.

Com base nos dados históricos, em aproximadamente 20% dos anos que houve retorno negativo em janeiro, o Ibovespa também teve desempenho anual negativo. Já em cerca de 60% dos anos, houve retorno positivo tanto em janeiro quanto no ano como um todo. Portanto, o ‘Barômetro de Janeiro’ pode não ser eficaz o suficiente. 

Efeito Powell’ prece

Muitos fatores podem influenciar o mercado de ações e isolar o impacto de um único mês, o que pode ser enganoso. Aliás, neste dia seguinte à primeira Super Quarta de 2024, o “efeito Powell” precia nos negócios globais, após o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, afastar as chances de corte nos juros dos Estados Unidos em março.

“O tom mais duro (‘hawkish’) afastou a possibilidade de primeira queda na próxima reunião, desanimando o mercado”

Marcelo Oliveira, co-fundador da Quantzed

Nesta quinta-feira (1), porém, o Ibovespa tenta dar continuidade à recuperação ensaiada na véspera (31), quando fechou com leves ganhos. “Boa parte da alta ontem foi uma correção técnica depois de um mês em baixa, em meio ao fluxo de saída do investidor estrangeiro”, avalia Andre Fernandes, head de renda variável e sócio da A7 Capital.

Aliás, como afirmam os autores Brown e Luo, em artigo publicado em 2006 no Journal of Investing, os investidores devem tratar um janeiro em baixa como um sinal para permanecerem fora do mercado. No entanto, não devem tratar um janeiro em alta como um sinal de compra para os 11 meses seguintes. 

“O ‘Barômetro de Janeiro’ é um excelente indicador de baixa quando janeiro é um mês de baixa, mas é um fraco indicador de alta quando janeiro é um mês de alta”, destacam os pesquisadores da Temple University e da Georgia State University no resumo da publicação.

Veja também

Boletim Pesca FelizBoletim Pesca Feliz
ANÚNCIO PATROCINADOConfira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Hidrogênio Verde
Pesca Feliz Mapa do site