Pesca Feliz

Siga nossas redes

Geral

3 fatos para hoje: dobra lucro da Tim; o elogio do FMI; ‘risco Eletrobras’

O Conselho Executivo do Fundo Monetário Internacional disse que a atual política monetária do Brasil é “apropriada” e pediu a continuação de uma abordagem baseada em dados.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 5 minutos

  • Telegram
  • Flipboard
  • Google News

1 – Lucro líquido da TIM mais do que dobra no 2º trimestre

ATIM(TIMS3) divulgou na noite de segunda-feira (31) um salto de 104% em seu lucro líquido normalizado do segundo trimestre, impulsionado pelos serviços de telefonia móvel.

A TIM Brasil, controlada pela Telecom Italia, registrou lucro de R$ 638 milhões no período de abril a junho.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) atingiu R$ 2,914 bilhões, ou 17% acima do mesmo trimestre do ano passado.

A lucratividade medida pela margem Ebitda cresceu 3,7 pontos percentuais em relação ao primeiro trimestre, atingindo 49,7%, em comparação com os lucros do primeiro trimestre usando a mesma métrica. Em relação ao segundo trimestre do ano passado, a rentabilidade cresceu 3,4 pontos percentuais.

A TIM destacou em seu balanço que sua receita de serviços foi o principal impulsionador do crescimento no trimestre “junto a um melhor controle de custos e redução da carga de despesas”.

Enquanto isso, a receita líquida normalizada cresceu 9,2%, totalizando R$ 5,86 bilhões, enquanto a receita do principal negócio de telefonia móvel da TIM atingiu R$ 5,37 bilhões.

Na semana passada, a concorrente Telefônica Brasil divulgou crescimento de 50% no lucro do segundo trimestre, apoiado por números robustos em seu negócio de telefonia móvel.

Celular (Foto: Dariusz Sankowski / Pixabay)
Celular (Foto: Dariusz Sankowski / Pixabay)

2- FMI elogia política monetária do Brasil

O Conselho Executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) disse na véspera que a atual política monetária do Brasil é “apropriada” e pediu a continuação de uma abordagem orientada para o futuro e baseada em dados.

O conselho pediu essa abordagem considerando a “lenta redução do núcleo da inflação no Brasil e as expectativas de inflação ainda acima da meta”, disse o FMI em um relatório após a conclusão de uma consulta com o Brasil.

O relatório também observou que a inflação geral tem recuado rapidamente desde o pico atingido no ano passado.

A inflação acumulada em 12 meses no Brasil caiu para 3,19% em meados de julho, abaixo da meta de 3,25% do Banco Central.

Logotipo do Fundo Monetário Internacional é visto dentro da sede ao fim das reuniões anuais do FMI/Banco Mundial em Washington, EUA, 9 de outubro de 2016. REUTERS/Yuri Gripas

Os diretores do Fundo elogiaram uma proposta de reforma tributária indireta e planos para reestruturar impostos diretos e simplificar as despesas tributárias, acrescentou o FMI.

A mobilização de receitas adicionais ajudará a garantir a sustentabilidade fiscal do Brasil e criar espaço para gastos prioritários, disse o Fundo.

“Os diretores receberam bem o compromisso das autoridades em melhorar a posição fiscal para manter a sustentabilidade da dívida e apoiar os esforços de desinflação da política monetária”, afirmou o relatório.

O diretor brasileiro no FMI, Afonso Bevilaqua, disse que o crescimento potencial do país deverá continuar subindo como resultado das reformas efetuadas e que estão em andamento, de acordo com comunicado do Ministério da Fazenda.

Bevilaqua ainda agradeceu o trabalho do corpo técnico do FMI e reafirmou que “as expectativas domésticas estão evoluindo favoravelmente e que a nova administração tem trabalhado para conciliar uma gestão macroeconômica responsável com justiça social e sustentabilidade ambiental”, disse a pasta.

3 – ‘Risco Eletrobras’

O secretário de Parcerias e Investimentos do Estado de São Paulo, Rafael Benini, afirmou que o governo paulista quer evitar o chamado “risco Eletrobras” na privatização da Sabesp.

“A gente quer que o Estado tenha uma participação (na Sabesp, após a privatização) parecida com a trava (de participação dos acionistas) para não acontecer a mesma coisa que aconteceu com a Eletrobras, o risco Eletrobras”, afirmou Benini ao Broadcast Político.

O secretário fez referência à ação em que o governo Luiz Inácio Lula da Silva questionou, no Supremo Tribunal Federal (STF), as regras para privatização da Eletrobras. O petista quer maior poder decisório na empresa.

Segundo Benini, o episódio gerou temor no mercado financeiro, e o governo paulista quer definir um modelo de privatização que dê maior segurança jurídica aos futuros acionistas. “O que a gente ouviu muito do mercado é que isso se tornou um risco. A gente quer evitar. Dependendo da participação que o Estado for ficar, mais ou menos por ali que a gente vai colocar a trava”, explicou o titular da SPI.

Ainda segundo Benini, a ideia de colocar uma trava de participação para os acionistas é uma forma de pulverizar a governança na empresa e evitar que ela tenha um único controlador. “Não quero vender a Sabesp para alguém, não quero que ela tenha outro controlador, ela tem que travar a participação de todo mundo.”

O secretário afirmou que ainda não se sabe qual será a trava, mas o desejo do governo é de que ela seja maior que a da Eletrobras, que ficou em 10%, e menor que 30%. “Não vou mais de 30% porque, a partir de 30%, ele vira um acionista. Não quero um controlador. Quero pulverizar, mas não quero pulverizar tanto, mas ainda quero ter acionistas que consigam influir na administração da empresa.”

*Com Reuters e Estadão

Veja também

Boletim Pesca FelizBoletim Pesca Feliz
ANÚNCIO PATROCINADOConfira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Hidrogênio Verde
Pesca Feliz Mapa do site